Bê-a-bá da cozinha / Techniques culinaires·Bebida / Boisson·Fusão / Cuisine fusion·Português / Portugais

Chocolate quente vegano de castanha de caju e castanha portuguesa

Aqui nos Alpes franceses a temperatura está cada vez mais baixa e as noites que começam lá pelas 17 horas (quando o céu cinza e sem uma nesga de sol cede espaço ao breu completo) clamam por uma bebida quentinha e reconfortante. O ar de Grenoble nessa época do ano tem, para mim, cheiro de São João, cheiro de pós-fogueira e isso não tem explicação lógica, é uma espécie de reconstrução afetiva com memórias particulares de lá e de cá. Pois foi imbuída desse misto do frio e do bom de cá com o menos frio e tão bom quanto de lá que noite passada eu quis colocar numa xícara o conforto de outrora e o calorzinho do meu agora. Uma dose de castanha de caju que transporta à casa primeira, outra de castanha portuguesa do novo chão e a cada gole essa sensação de que – mais que ser – estar e transitar é muito bom. #PostCulinárioPósSessãoDeTerapiaDáNisso

A castanha de caju entra na receita como base do leite vegetal que deixa o chocolate bem cremoso e aveludado. A castanha portuguesa, em plena temporada, entra para trazer ainda mais dulçor e delicadeza à bebida que dispensa a adição de outros açúcares. Ela dá na Europa em tempo frio, mas não é fácil encontrá-la no Brasil – quanto mais longe do outono/inverno. Vi só uma vez na zona rural da serra gaúcha, nunca à venda em mercados. Mas calma, calma, não criemos pânico porque para esse chocolate quente você vai precisar do doce de castanha portuguesa, não da castanha in natura e pra isso dá-se um jeito! Em alguns empórios, casas de especiarias e de produtos gourmet é possível encontrar a « confiture de châtaignes à la vanille » da marca francesa Bonne Maman, aquela das geleias translúcidas, feitas à moda antiga sem aditivos além do próprio açúcar ou pectinas além da própria fruta. É produto importado e pode doer no bolso, então para uma versão mais econômica pode-se usar o marrom glacê à brasileira, o bom e velho doce de batata doce concebido justamente para imitar o sabor da castanha portuguesa que não é típica em nossas terras. A ideia pode soar estranha, mas a batata doce traz, além de dulçor, uma textura aveludada às bebidas como mostro nessa vitamina matinal com especiarias.

Chocolate quente vegano de castanha de caju e castanha portuguesa

  • 80 g de castanha de caju crua
  • 240 ml de água morna
  • 1 colher de sopa cheia de cacau em pó
  • 2 colheres de sopa de doce de castanha portuguesa (confiture de châtaigne)
  • algumas gotas de essência de amburana (ou de cumaru ou de baunilha)

O primeiro passo é fabricar o leite de castanha de caju. Para isso, deixe as oleaginosas de molho na geladeira por ao menos 4 horas. Costumo deixar a noite inteira hidratando e amolecendo para preparar o leite no café da manhã, mas também é possível extrair o leite de castanha express demolhando os frutos em água quente por alguns minutos. Em todo caso, jogue fora a água do molho e lave as castanhas em água corrente. Em seguida, liquidifique-as com o dobro do seu peso em água: para 120 g de castanha demolhada use 240 ml de água filtrada. Usando um processador, triturador manual (mixer) ou liquidificador bata até obter um líquido homogêneo e levemente espesso. Bem batidinho, não é necessário peneirar. Adicione o cacau em pó, a essência aromatizante (opcional) e bata novamente para incorporar. Leve ao fogo até quase ferver e incorpore as colheradas de doce de castanha portuguesa, mexendo para bem dissolver.

4 réflexions au sujet de « Chocolate quente vegano de castanha de caju e castanha portuguesa »

Votre commentaire

Entrez vos coordonnées ci-dessous ou cliquez sur une icône pour vous connecter:

Logo WordPress.com

Vous commentez à l’aide de votre compte WordPress.com. Déconnexion /  Changer )

Image Twitter

Vous commentez à l’aide de votre compte Twitter. Déconnexion /  Changer )

Photo Facebook

Vous commentez à l’aide de votre compte Facebook. Déconnexion /  Changer )

Connexion à %s